Vazio de sentido

Todos somos induzidos a uma despersonalização que retira de nós o sentido da vida. É nosso dever encontrar esse sentido, pois um dia a própria vida virá sobre nós com suas perguntas e nos exigirá respostas.

“Eles carecem da consciência de um sentido pelo qual valesse a pena viver. Sentem-se perseguidos pela experiência de seu vazio interior, de um vazio dentro de si mesmos; estão presos na situação que tenho chamado de ‘vácuo existencial’.

O vazio existencial é um fenômeno muito difundido no século XX. Isto é compreensível; pode ser atribuído a uma dupla perda sofrida pelo ser humano desde que se tornou um ser verdadeiramente humano.

[…] Nenhum instinto lhe diz o que deve fazer e não há tradição que lhe diga o que ele deveria fazer; às vezes ele não sabe sequer o que deseja fazer. Em vez disso, ele deseja fazer o que os outros fazem (conformismo), ou ele faz o que outras pessoas querem que ele faça (totalitarismo).

Viktor Frankl, Em busca de sentido

“Ah… fulano tem muita personalidade. É uma pessoa segura, forte; age com força, confiança, integridade…”

Não são poucos os momentos em que somos tomados por pensamentos como esse.

Testemunhamos uma pessoa em pleno exercício da sua natureza, vislumbramos aquelas aparentes virtudes, a integralidade de vida, a força da personalidade e ficamos admirados. Voltando o olhar para nós mesmos, a comparação é, por vezes, inevitável:

Estamos muito distantes daquilo. Quem dera tivéssemos toda aquela personalidade…

Geralmente, uma personalidade é marcante assim quando o conjunto daquela pessoa, ou algum elemento específico do conjunto, se ressalta de maneira a nos encher os olhos. Uma qualidade sua, ou todo o seu modo de ser e de agir, nos desperta a admiração e o desejo de ser daquela maneira.

É natural. Afinal, não queremos ser melhores do que somos?

Todos gostaríamos de ser pessoas que têm firmeza de propósito, que sabem o que querem para si; pessoas ordenadas, que estão à altura dos problemas da própria vida e do próprio tempo.

Acontece que um dos problemas mais característicos deste tempo é que somos empurrados a sermos pessoas mais fracas, inseguras, desconfiadas e relativistas, que buscam somente a desordem e se rendem facilmente aos prazeres e paixões.

E, com esses influxos que sofremos somados à nossa própria parcela de culpa, não percebemos que estamos nos despersonalizando e agindo como os outros, seguindo a corrente, como peixes ao sabor do fluxo do rio.

Assim, sem nos darmos conta, vamos perdendo de vista aquela força que desejávamos para ter maior controle sobre as coisas que se nos acontecem, sobre quem somos e, portanto, sobre a nossa vida.

Resultado: uma deformação da personalidade que aniquila a nossa dignidade enquanto seres humanos, imagem e semelhança de Deus, em virtude de termos, inconscientemente, escolhido uma vida que não está à altura do que é capaz o ser humano.

Era precisamente a isso que Viktor Frankl se referia quando falava no vazio existencial — aquele sentimento oco interior que não permite resposta para as perguntas:

O que eu faço? O que eu quero? Quem eu sou?

Mas essas perguntas precisam ser respondidas — e respostas serão exigidas! Pode ser que a vida ainda não as esteja cobrando, mas ela o fará

A todos chegará o momento em que os questionamentos que a vida nos faz todos os dias, os quais tentamos ignorar, virão sobre nós com toda a sua força, de modo pungente, para nos machucar.

Se até lá ainda não tivermos encontrado as respostas, aquela deformação da nossa personalidade, aquele nosso vazio interior, nos levarão a uma profunda crise existencial.

E ela nos deixará em frangalhos sob o seu tormento.

Outros Artigos

Outros Artigos

Hollywood: fábrica de sonhos ou de frustrações?

Hollywood foi a responsável por desenvolver uma linguagem cinematográfica com um poder imenso de sedução e fascínio. O que todos ignoram é que aquela que ficou conhecida como grande fábrica de sonhos é, na verdade, uma perversa fábrica de frustrações. __ “No futuro, todos serão mundialmente famosos por quinze minutos.”...

O cinema está morto?

O cinema pode ser uma arte e um instrumento de conhecimento, um meio de descoberta, mas é geralmente utilizado como uma prodigiosa máquina de propaganda e persuasão, que, cativando o espectador com seus poderosos meios de sedução e entretenimento, instala em sua alma uma série de desvios, violando completamente a...

Pai X Professor: O que você precisa fazer a respeito da educação do seu filho?

Vivemos numa sociedade burguesa na qual as pessoas preferem pagar por serviços para que nunca tenham de se preocupar com aquilo. Assim também acontece com a educação dos filhos.  ___ Em um dos nossos textos mais recentes (Qual é a responsabilidade dos pais na educação dos filhos?) refletimos acerca da...

Qual é a responsabilidade dos pais na educação dos filhos?

Muitos pais, por insegurança, negligência ou ignorância, acreditam que podem terceirizar completamente a educação dos seus filhos. Não sabem eles que possuem uma missão que não há como ser transferida. ___ Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abro­lhos? Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá...

Por que seu filho deve ler literatura pagã? 

A suspensão do juízo moral: Aprendendo a ler literatura com O Estrangeiro, de Albert Camus

Muitos leitores de obras ficcionais da literatura, ao se debruçarem sobre narrativas diversas à sua própria realidade e visão de mundo, esbarram apressadamente num obstáculo quase insuperável que lhes impede de apreciar e compreender aquilo que leem e cuja contenção é indispensável para o domínio das capacidades de leitura e...

Data de Expiração: ---