Marte, Fobos e Deimos: Como o medo leva ao reinado do egocentrismo

No mundo contemporâneo, as doenças mentais, morais e espirituais se alastram de modo tal, que a covardia, o egoísmo e o medo não só são tidos como virtudes, como tornaram-se mandatos da lei. Assim surge o reino do egocentrismo.

Ao longo da história, o homem sempre tentou racionalizar o medo, tendo-o registrado por incontáveis símbolos e a ele fazendo as mais diversas alusões.

Em não poucas culturas, o temor já serviu como instrumento pedagógico, ordenador, doutrinário, como artifício de defesa, proteção e até como ferramenta de ataque, controle e dominação.

Na mitologia grega, por exemplo, Ares (Marte para os romanos), o deus da guerra, da carnificina, do impulso e do descontrole, é pai de Fobos, deus do medo, e Deimos, do terror. Eles o acompanhavam em todas as batalhas, indo à frente de seu carro para assombrar os guerreiros inimigos, enchendo seus corações de pânico e horror.

Assim, tomados pela covardia, os adversários fugiam, deixando seus exércitos fragilizados e dando a Marte uma vitória fácil.

Símbolo bastante adequado é esse. As guerras não são sempre acompanhadas de medo e terror?

Mais propício ainda, talvez, para descrever os nossos tempos: não vivem Fobos e Deimos a acossar os corações dos homens de nossa era?

Sim, guerras abertas e declaradas temos aos montes; e nessas o seu trabalho é ostensivo. Mas há ainda aquelas guerras implantadas, incutidas que, ocultadas pelo barulho externo, encontram um terreno silencioso no interior das almas e dos corações, onde, por isso mesmo, podem estender-se ao longo de vidas inteiras.

Guerra contra a ordem, contra a natureza, contra Deus, contra o homem, universal e particular — de si contra o outro e de si contra si mesmo. 

Tudo tornou-se ameaça a uma estabilidade e uma segurança que sequer existem no campo da realidade. Assim, o medo passou a ser constante, irrefreável e absoluto.

Exemplos que o atestem não nos faltam, e há dois, três, quatro anos, eles eram ainda mais evidentes.

A verdade é que as sociedades contemporâneas produzem cada vez mais, em um nível verdadeiramente pandêmico, um medo irracional de tudo e de todos. Fobos e Deimos são semeados incessantemente, de modo que, por temer a tudo e a todos, os homens não mais se abram ao outro e acabem, como ouriços, por fechar-se em torno de si mesmos,  e o mundo é transformado no reino do egocentrismo.

Essa, inclusive, foi uma relação observada por Rudolf Allers, filósofo e psicólogo do século XX, que identificou o medo e o egoísmo. Ele propôs que o homem que se centra em demasia sobre si mesmo acaba por desenvolver um anseio patológico por segurança. 

Ou seja, a pessoa ensimesmada quer proteger-se a todo custo, até de coisas imaginárias. Ela preocupa-se excessivamente com aquilo que lhe pode suceder e acaba por perder a capacidade contemplativa, de olhar para a sua própria realidade, para o mundo, para as demais pessoas e para Deus. 

Assim, em função do medo, vai se fechando cada vez mais em si mesma e passa a não enxergar mais nada para fora.

Claro, há um medo salutar, que é uma defesa importante do apetite irascível frente a um mal próximo, difícil de evitar e de enfrentar. Afinal, diante de algo que é verdadeiramente temível, o melhor é temer; a ninguém é bom viver temerariamente. Não à toa, São Jerônimo dizia que o temor é o guardião das virtudes. 

Mas não é dele que falamos, e sim daquele que é irrefletido, desconfiado; aquele que oblitera a mente e aprisiona a alma na imagem daquilo que se teme.

Esse é o medo que, dominando o homem por tempo indeterminado, lhe priva da razão, levando-o a ignorar o outro e a cometer injustiças.

É o medo que nos torna egoístas e que parece ser a única coisa que os senhores do mundo querem que nós sintamos, incentivando-nos além da covardia egocêntrica.

Em razão dele, as pessoas do nosso tempo, temendo perder uma segurança que não existe, acabam, na verdade, perdendo a sua própria humanidade. O mundo, então, transforma-se no reino de Marte, onde — fora e dentro — não há amor ou paz, pois só resta impulso, descontrole e desconfiança.

Outros Artigos

Outros Artigos

O cinema está morto?

O cinema pode ser uma arte e um instrumento de conhecimento, um meio de descoberta, mas é geralmente utilizado como uma prodigiosa máquina de propaganda e persuasão, que, cativando o espectador com seus poderosos meios de sedução e entretenimento, instala em sua alma uma série de desvios, violando completamente a...

Pai X Professor: O que você precisa fazer a respeito da educação do seu filho?

Vivemos numa sociedade burguesa na qual as pessoas preferem pagar por serviços para que nunca tenham de se preocupar com aquilo. Assim também acontece com a educação dos filhos.  ___ Em um dos nossos textos mais recentes (Qual é a responsabilidade dos pais na educação dos filhos?) refletimos acerca da...

Qual é a responsabilidade dos pais na educação dos filhos?

Muitos pais, por insegurança, negligência ou ignorância, acreditam que podem terceirizar completamente a educação dos seus filhos. Não sabem eles que possuem uma missão que não há como ser transferida. ___ Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abro­lhos? Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá...

Por que seu filho deve ler literatura pagã? 

A suspensão do juízo moral: Aprendendo a ler literatura com O Estrangeiro, de Albert Camus

Muitos leitores de obras ficcionais da literatura, ao se debruçarem sobre narrativas diversas à sua própria realidade e visão de mundo, esbarram apressadamente num obstáculo quase insuperável que lhes impede de apreciar e compreender aquilo que leem e cuja contenção é indispensável para o domínio das capacidades de leitura e...

Marte, Fobos e Deimos: Como o medo leva ao reinado do egocentrismo

No mundo contemporâneo, as doenças mentais, morais e espirituais se alastram de modo tal, que a covardia, o egoísmo e o medo não só são tidos como virtudes, como tornaram-se mandatos da lei. Assim surge o reino do egocentrismo. Ao longo da história, o homem sempre tentou racionalizar o medo,...

Data de Expiração: ---